Um dia sem o carro

Um dia sem o carro

Um dia sem o carro

Se as pessoas que comandam a cidade não renunciam ao carro, por que os munícipes renunciariam?
É louvável o esforço do prefeito Antonio Carlos Pannunzio (PSDB) e parte do primeiro escalão da Prefeitura para demonstrar que é possível se deslocar pela cidade deixando o carro na garagem, como se viu na segunda-feira, por ocasião da jornada mundial Na Cidade sem Meu Carro, quando o chefe do Executivo pedalou cerca de dez quilômetros desde sua casa, no Trujillo, até a Prefeitura, enquanto parte de seus assessores, segundo se divulgou, foi trabalhar de ônibus. No entanto, por força da própria excepcionalidade, iniciativas como essa acabam pondo em evidência exatamente o contrário: afinal, o que se viu naquele dia foi o que as autoridades não fazem no resto do ano. Uma exceção que, para elas, está longe de se tornar rotina.

É de se questionar a validade, enquanto exemplo ou mesmo enquanto esforço publicitário, de um gesto como esse — tão incomum que teve a cobertura da imprensa. Ninguém duvida que todos agiram com a melhor das intenções. Mas o fato concreto é que trocar o carro por uma bicicleta ou pelo transporte coletivo não passa, nem em sonho, pela cabeça do prefeito e integrantes do primeiro escalão. Certamente, eles têm bons motivos para continuar utilizando seus carros no dia a dia — mas quem não tem? Se as pessoas que comandam a cidade não renunciam ao carro, por que os munícipes renunciariam? Se o transporte coletivo não serve para quem governa, por que serviria para o cidadão comum?

Ninguém trocará o conforto e a agilidade de um veículo particular pelo transporte coletivo, apenas porque seu impacto no trânsito e no meio ambiente é menor ou porque os mandatários da cidade, lá numa manhã ensolarada de setembro, decidiram viver uma experiência diferente. É preciso que a população perceba vantagens tangíveis, em aspectos como preço, confiabilidade, tempo de deslocamento e comodidade, para que a tendência de migração de usuários do transporte coletivo para o individual seja revertida ou, pelo menos, estancada. Enquanto persistirem fatores como a superlotação — que causa desconforto e, por vezes, faz com que o usuário seja deixado no ponto –, dificilmente o transporte particular será preterido.

Dificuldades ainda maiores cercam o uso regular de bicicletas como meio de transporte. Como Pannunzio pôde constatar pessoalmente, anteontem, ainda falta muito para que o sistema cicloviário possa ser utilizado com segurança. No trajeto entre sua casa e a Prefeitura, o prefeito percebeu deficiências graves, como a falta de interligação de trechos de ciclovias, que obriga o ciclista a dividir as ruas com veículos motorizados. Não por acaso, Pannunzio terminou seu passeio prometendo melhorias para a malha cicloviária. Mesmo que as ciclovias abrangessem toda a cidade e fossem mais seguras, entretanto, ainda assim a maior parte da população não poderia utilizá-las, devido à topografia da cidade e à exigência de boa condição física para pedalar.

É, como se percebe, um desafio muito grande o que a Prefeitura — e, com ela, toda a comunidade — tem pela frente, na tentativa de reverter uma tendência histórica de valorização do transporte particular em detrimento do coletivo, e impedir que a frota crescente de veículos coagule cada vez mais as artérias da cidade, deixando intransitáveis as ruas e irrespirável o ar. Por ora, as expectativas se concentram no projeto do BRT (ônibus rápido), que promete ser um começo de mudança para um sistema de transporte caracterizado pelo alto custo da tarifa, lentidão e superlotação em algumas linhas, até mesmo fora dos horários de pico.

A melhoria substancial do transporte coletivo e a consolidação do projeto das ciclovias podem, a longo prazo, mudar os hábitos de mobilidade de parte dos sorocabanos. Por enquanto, o que se tem são sistemas problemáticos, aos quais só recorre quem não tem opção melhor e, eventualmente, políticos que cumprem agendas específicas, mais na condição de exploradores do que de usuários.

Fonte: Cruzeiro do Sul

Sobre o Autor

Marco Aurélio administrator

error: Content is protected !!