Aumento da frota segurada turbina lucro da Porto Seguro

Aumento da frota segurada turbina lucro da Porto Seguro

SÃO PAULO – O forte crescimento da frota de automóveis no Brasil impulsionou os resultados da Porto Seguro, divulgados ontem. A seguradora alcançou R$ 136,3 milhões em lucro líquido no segundo trimestre, valor 4,12% superior ao do primeiro trimestre de 2010.

O mesmo resultado, em comparação com o mesmo período de 2009, registra crescimento de 103,4% com a carteira da Itaú Seguros de Auto e Residência (Isar) e crescimento de 50,1% sem a influência da integração.
O faturamento da companhia cresceu 3,42%, de R$ 1,796 bilhão no primeiro trimestre para R$ 1,858 bilhão no segundo trimestre do ano.
“A frota segurada cresceu de 3,48 milhões de veículos para 3,54 milhões na comparação trimestral ao passo que a frequência de roubos e furtos está estável”, declarou o diretor de Relações com Investidores da Porto Seguro, Alexandre Peev.
O diretor argumenta que o aumento de 60 mil veículos na frota segurada representa um crescimento de 9,2% no número de veículos segurados em relação ao mesmo período de 2009.
Para efeito de comparação, a frota nacional de veículos cresceu 8,89% no mesmo período, ou seja, a Porto Seguro alcançou desempenho superior ao crescimento do mercado automotivo.

“O mercado segurador deve crescer entre 12% e 15% este ano e a Porto Seguro deve crescer um pouco acima do mercado”, vislumbra Alexandre Peev.

Quanto à sinistralidade de automóveis, os indicadores apontam uma queda em relação ao primeiro trimestre do ano, de 62,1% para 57,9%, e ao mesmo tempo um aumento em relação ao mesmo período do ano passado, quando se registraram 55,2%.
Peev justificou esse aumento de sinistralidade em virtude das enchentes do mês de abril na cidade do Rio de Janeiro. “Cada vez mais, os efeitos climáticos do aquecimento global impactam no número de colisões e sinistros de automóveis”, afirma.
As três carteiras de automóveis da seguradora registraram resultados expressivos no período. O balanço divulgado informou que os prêmios auferidos da carteira de automóveis da Porto Seguro atingiram R$ 724, 3 milhões no segundo trimestre, 12,2% maior que os R$ 645,3 milhões observados em 2009.
A carteira de automóveis da Isar atingiu R$ 332 milhões, valor 1,31% maior que os R$ 327,7 milhões registrados no primeiro trimestre de 2010.
Por fim, a carteira de automóveis da Azul Seguros atingiu R$ 215,3 milhões no segundo trimestre de 2010, aumento de 26,9% em relação ao mesmo período do ano passado e um crescimento de 6,9% em comparação com a receita de R$ 201,4 milhões do primeiro trimestre desse ano.
O diretor de RI destacou a performance dos outros segmentos atendidos pela Porto Seguro. “A carteira de saúde cresceu 8,7% em prêmios e 6,9% em número de vidas e alcançou 435 mil pessoas”, informa Peev.
Segundo o diretor, os efeitos do inverno na saúde não geraram aumento de sinistralidade. “Esse patamar entre 70% e 72% do índice de sinistralidade é bastante normal”, aponta.
Ele explica que a carteira empresarial de saúde possui um mecanismo contratual que permite reajustes de preços se a sinistralidade disparar. “Como a carteira é bem precificada, a sinistralidade tende a diminuir”, destaca o diretor de RI da Porto Seguro.
De fato, o balanço divulgado informa que a sinistralidade em saúde caiu de 85,1% em 2009 para 72% em igual período de 2010, e a receita subiu de R$ 163,7 milhões para R$ 178 milhões no segundo trimestre de 2010.
A carteira de previdência e VGBL cresceu 6,8% em 12 meses, de R$ 29,4 milhões para R$ 31,4 milhões. Ao passo que a carteira de pessoas registrou crescimento de 4,2% no mesmo período, de R$ 75,6 milhões para R$ 78,8 milhões. “A sinistralidade nesse segmento de Vida está um pouco abaixo do normal, em 31,5%”, informa o diretor de RI.
A carteira patrimonial apresentou crescimento expressivo de 115,9% quando inclui Isar e de 10,5% na carteira da Porto, e atingiu R$ 150,5 milhões em prêmios.
“Tivemos bons ganhos de sinergia com a integração da Isar e reduzimos as despesas administrativas de 19,3% para 18,7% nos últimos 12 meses”, diz Peev.
“Nosso principal foco com a integração é a manter a qualidade dos serviços, mas há mais ganhos de sinergia por vir”, concluiu o diretor de RI da Porto Seguro.
O analista de seguros do Banco Fator Iago Wately analisou o balanço da Porto Seguro a pedido do DCI. “O índice operacional de 94,7% foi muito bom e o resultado geral está excelente”, diz Wately.
Ele observou que a carteira de investimentos da Porto Seguro rendeu 94% do CDI por conta de recursos em renda variável.
Wately projeta R$ 22 para dezembro após valorização de 12% em julho. O papel Porto Seguro ON fechou em R$ 20,85 com alta de +1,7% nesta terça-feira.
Fonte:DCI
www.resicorseguros.com.br

Sobre o Autor

Marco Aurélio administrator

error: Content is protected !!